terça-feira, 22 de dezembro de 2009

MELANCÓLICO DESFECHO DA COP 15

Transcrevemos a seguir um esclarecedor artigo do eminente ambientalista Leonardo Boff, www.leonardoboff.com/ .
Fonte: Fábio Oliveira – fabioxoliveira2007@gmail.com
fabioxoliveira.blog.uol.com.br/
“MELANCÓLICO DESFECHO DA COP 15 – É A TREVA: RUMO AO DESASTRE
Uma jovem e talentosa atriz de uma novela muito popular, Beatriz Drumond, sempre que fracassam seus planos, usa o bordão: ”É a treva”. Não me vem à mente outra expressão ao assistir o melancólico desfecho da COP 15 sobre as mudanças climáticas em Copenhague: é a treva! Sim, a humanidade penetrou numa zona de treva e de horror. Estamos indo ao encontro do desastre. Anos de preparação, dez dias de discussão, a presença dos principais líderes políticos do mundo não foram suficientes para espancar a treva mediante um acordo consensuado de redução de gases de efeito estufa que impedisse chegar a dois graus Celsius. Ultrapassado esse nível e beirando os três graus, o clima não seria mais controlável e estaríamos entregues à lógica do caos destrutivo, ameaçando a biodiversidade e dizimando milhões e milhões de pessoas.
O Presidente Lula, em sua intervenção no dia mesmo do encerramento, 18 de dezembro, foi a único a dizer a verdade: ”faltou-nos inteligência” porque os poderosos preferiram barganhar vantagens a salvar a vida da Terra e os seres humanos.
Duas lições se podem tirar do fracasso em Copenhague: a primeira é a consciência coletiva de que o aquecimento é um fato irreversível, do qual todos somos responsáveis, mas principalmente os países ricos. E que agora somos também responsáveis, cada um em sua medida, do controle do aquecimento para que não seja catastrófico para a natureza e para a humanidade. A consciência da humanidade nunca mais será a mesma depois de Copenhague. Se houve essa consciência coletiva, por que não se chegou a nenhum consenso acerca das medidas de controle das mudanças climáticas?
Aqui surge a segunda lição que importa tirar da COP 15 de Copenhague: o grande vilão é o sistema do capital com sua correspondente cultura consumista. Enquanto mantivermos o sistema capitalista mundialmente articulado será impossível um consenso que coloque no centro a vida, a humanidade e a Terra e se tomar medidas para preservá-las. Para ele centralidade possui o lucro, a acumulação privada e o aumento de poder de competição. Há muito tempo que distorceu a natureza da economia como técnica e arte de produção dos bens necessários à vida. Ele a transformou numa brutal técnica de criação de riqueza por si mesma sem qualquer outra consideração. Essa riqueza nem sequer é para ser desfrutada mas para produzir mais riqueza ainda, numa lógica obsessiva e sem freios.
Por isso que ecologia e capitalismo se negam frontalmente. Não há acordo possível. O discurso ecológico procura o equilíbrio de todos os fatores, a sinergia com a natureza e o espírito de cooperação. O capitalismo rompe com o equilíbrio ao sobrepor-se à natureza, estabelece uma competição feroz entre todos e pretende tirar tudo da Terra, até que ela não consiga se reproduzir. Se ele assume o discurso ecológico é para ter ganhos com ele.
Ademais, o capitalismo é incompatível com a vida. A vida pede cuidado e cooperação. O capitalismo sacrifica vidas, cria trabalhadores que são verdadeiros escravos “pro tempore” e pratica trabalho infantil em vários países.
Os negociadores e os lideres políticos em Copenhague ficaram reféns deste sistema. Esse barganha, quer ter lucros, não hesita em pôr em risco o futuro da vida. Sua tendência é autosuicidária. Que acordo poderá haver entre os lobos e os cordeiros, quer dizer, entre a natureza que grita por respeito e os que a devastam sem piedade?
Por isso, quem entende a lógica do capital, não se surpreende com o fracasso da COP 15 em Copenhague. O único que ergueu a voz, solitária, como um “louco” numa sociedade de “sábios”, foi o presidente Evo Morales: “Ou superamos o capitalismo ou ele destruirá a Mãe Terra”.
Gostemos ou não gostemos, esta é a pura verdade. Copenhague tirou a máscara do capitalismo, incapaz de fazer consensos porque pouco lhe importa a vida e a Terra mas antes as vantagens e os lucros materiais.”

3 Comentários:

Às 22 de dezembro de 2009 20:02 , Anonymous Anônimo disse...

Explicando:
o capitalismo é uma excrecência que se desenvolveu paralelamente com a Revolução Industrial. Foi abraçada pelos economistas para explicar e manipular a evolução do capital, ignorando os custos ambientais, então desconhecidos, que deixaram de ser repassados aos preços de venda. A R.I. teve como alicerce a substituíção das fontes de energia naturais, humanas e
animaais pelos combustíveis fósseis cujos resíduos não são recicláveis e, por isso, se acumularam no meio ambiente marinho e terrestre durante estes dois últimos séculos; agora evoluiu para a atmosfera e está promovendo o seu desequilíbrio. Entendo que o caminho mais lógico é o desenvolvimento de campanhas de conscientização popular contra o consumo supérfluo e da necessidade de controlar os nascimentos a fim de reduzir, gradativamente, a carga populacional da Terra.
Antídio

 
Às 31 de dezembro de 2009 08:23 , Anonymous Priscila Alves disse...

Fiquei chocada, quando em sala de aula meu professor de LPT (Curso de Ciências Biológicas), estava corrigindo o texto que fiz sobre o Pré-sal. Pois bem, fiz várias críticas à respeito e ele certa hora me pergunto: você prefere morrer de fome à salvar um urso polar. Fazendo alusão ao aquecimento do clima com a queima do petróleo e seus derivados. Afinal, se o clima muda a produção de alimentos também muda. Ou seja, se tivermos o que comer hoje o amanhã não importa ? Viva a economia, o 'progresso' e a vida onde fica ? Temos o exemplo de várias civilizações de definharam porque não tiveram respeito com a natureza. E mesmo assim, com tantas provas não se faz nada para impedir a catástrofe do mundo que conhecemos. Mas bem como disse a minha professora de Ecologia: 'O planeta Terra é um ser vivo e assim como todo ser vivo, quando atingido por algum vírus, o ataca e o expulsa do seu corpo'. Pois bem, quem nesta história é o vírus ? Infelizmente estamos indo de encontro a uma catástrofe, a não ser que as pessoas tomem consciência de que a natureza é maravilhosa e temos que mudar o nosso estilo de vida, dando mais importância às coisas mais simples e mais dignas. O fim será do ser humano e não do planeta.

 
Às 31 de dezembro de 2009 15:19 , Blogger Maurício disse...

Prezada Patrícia,
Você está inteiramente com a razão. Parece que você está enxergando o que muita gente ainda não percebeu. Seria interessante que você conhecesse o meu livro "Agora ou Nunca Mais", no momento com edição esgotada, mas que pode ser adquirido no sebo, onde é muito fácil. Basta acessar o site www.estantevirtual.com.br
Seria bom que você tomasse conhecimento da série enorme de artigos que tenho publicado neste blog, principalmente "A População mundial" (11.12.07) e "A primeira revolução ambiental" (10.12.08).
Fico ao seu inteiro dispor para qualquer esclarecimento.
Grato pelo comparecimento.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial