quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

O MUNDO NÃO ACABOU, POR ENQUANTO

 
Autor: José Eustáquio Diniz Alves

[EcoDebate] Algumas interpretações do calendário Maia diziam que o mundo vai acabar no dia 21/12/2012, uma sexta-feira. Estou escrevendo na véspera e não sei o que vai acontecer. Mas não existem sinais evidentes de que haja algum meteoro ou alguma atividade solar extrema que vá destruir a Terra, de supetão.

Provavelmente, o mundo vai acordar no mesmo ritmo atual, no dia 22/12/2012. Mas isto não quer dizer que o mundo, tal como conhecemos, não vá acabar, pois, se depender do ser humano, a natureza e os ecossistemas estão com os “dias contados”. As ameaças ao Planeta não devem vir do espaço ou da invasão de alienígena, mas sim das atividades endógenas de um “câncer” que consome e destrói a diversidade da vida na Terra.

O prêmio Nobel de Química de 1995, o holandês Paul Crutzen, avaliando o grau do impacto ambientalmente destruidor das atividades humanas afirmou que o mundo entrou em uma nova era geológica: a do ANTROPOCENO. Este termo, que tem antigas raízes etimológicas gregas significa “época da dominação humana” e representa um novo período da história da Terra em que o ser humano se tornou a causa da escalada global da mudança ambiental.

A humanidade tem afetado não só o clima da Terra, mas também química dos oceanos, os habitats terrestres e marinhos, a qualidade do ar e da água, os ciclos de água, nitrogênio e fósforo, alterando os diversos componentes essenciais que sustentam a vida no planeta. Cerca de 30 mil espécies são extintas a cada ano. A humanidade está provocando a redução da biodiversidade da Terra.

O biólogo E. Wilson considera que a humanidade é a primeira espécie na história da vida na Terra a se tornar numa força geofísica destruidora. Nas últimas seis décadas, na medida em que o PIB mundial crescia e os recursos naturais eram canalizados para o desfrute do consumo e do bem-estar humanos, houve uma investida exponencial sobre todos os ecossistemas do Planeta. O progresso humano tem significado regresso ambiental e extinção de inúmeras espécies.

Portanto, talvez o Antropoceno seja a última Era geológica/antropológica do Planeta Azul. Mesmo acordando felizes em 22/12/2012, com os nossos direitos humanos mais ou menos respeitados, os rumos da economia, provavelmente, vão continuar enfrentando em choque com a biodiversidade, ao mesmo tempo em que provocam a redução ou a extinção de várias espécies, vítimas da fúria antropocêntrica

Fonte: Ecodebate, 26.12.12


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial