domingo, 8 de fevereiro de 2009

EM FUNÇÃO DE

É interessante a expressividade da linguagem humana. Além de as palavras mudarem o seu significado, segundo o contexto ou a sua colocação na oração, a própria construção da frase muda o sentido da idéia pensada. Há ainda as expressões ambivalentes e as contraditórias, calcadas em um sentido consensual, sempre – o que é interessante frisar – em função dos interesses dos humanos.
Com respeito a esses últimos conceitos, identificamo-los como os que incorporam uma semântica já consagrada pelos usos e que podem ser distinguidos, mediante uma análise racional, perguntando-se: Em função de quê?
Na técnica investigativa policial, ante um crime e como base para início de um raciocínio, pergunta-se: A quem interessa este crime? Na análise de uma informação ou de uma instrução, deve-se ajustá-la à condicionante em função de, para que se possa absorver e compreender com exatidão a mensagem recebida.
Para melhor esclarecimento dessa situação, vamos construir um desentendimento de comunicação:
— Joaquim, faça o favor de abrir a cortina.
— Mas, Maria, ela já está aberta.
— Não está, não. Ela está fechada. Abra-a.
— Bom, então você quer que a feche. Pronto, está fechada.
— Não, agora está aberta, justo como lhe havia pedido.
O que se pode entender como cortina aberta? Se restringirmos nossa ideação apenas à cortina, não haverá dúvidas. Cortina aberta é quando está na posição estendida, sem formar gomos, cobrindo a visão de algo. Cortina fechada é o contrário: recolhida, sanfonada, deixando o vão à mostra.
No teatro, costuma-se descrever:
“Para começar o espetáculo, abriu-se a cortina e a orquestra apareceu.”
No entendimento restrito, acima informado, poder-se-ia dizer: “...a cortina se fechou e a orquestra apareceu”.
Na expressão de que tratamos, vejamos que na idéia sobre cortina está subentendida a paisagem, o foco de visão, que pode ser a janela, o palco ou uma tela de cinema. Assim, quando Maria diz para abrir a cortina, sua ideação verdadeira é: “... abrir a visão da janela”, (fechando a cortina). No teatro, diz-se: “... a visão da orquestra se abriu”, (com o fechamento da cortina).
Nas considerações acima, queremos dizer que a comunicação de pensamento não é fácil, porque a ideação não leva em conta o fator em função de. Nas expressões citadas, abrir ou fechar a cortina é uma ação subordinada a finalidades diferentes e subjetivas, tais como janela, paisagem, visão, claridade, espetáculo.
Outro exemplo corriqueiro:
— Farmacêutico, você tem ai um remédio bom para gripe?
— Você quer um remédio bom para você ou para a gripe?
A frase foi formada em função do interesse do doente; está subentendido. Há milhares de frases usuais desse tipo, construídas sempre em função das conveniências dos humanos, nunca com observância dos interesses da Natureza.
Verifiquemos uma notícia comum, publicada quase diariamente nos jornais:
“Ontem, na Avenida Pinheiros, um caminhão carregado com 12 toneladas de cimento se desgovernou e bateu contra um ônibus e diversos automóveis. Na violenta ocorrência foram derrubadas várias árvores do canteiro central, mas ninguém se feriu.”
Se formulada em função dos cuidados para com a Natureza, a redação deveria ser mais ou menos assim:
“...Na violenta ocorrência ninguém se feriu, mas lamentavelmente foram atropeladas e mortas tantas árvores.”
Notícias do cotidiano:
“No Estado do Amazonas, na vila Tal, recentemente construída pelo governo para alojar os operários que vão construir a usina do Rio Jaquará, as formigas estão atacando avidamente a pacífica população, principalmente as crianças, ocasionando sofrimentos e inquietudes.”
“Na África, na região Tal, os elefantes vêm atacando as famílias de colonos que se instalaram em novas fronteiras agrícolas, onde cultivam diversos cereais destinados à sua subsistência.”
Sim, as formigas atacam, os elefantes atacam. O pensamento está construído em função de os interesses dos agentes ativos e destrutivos. Ou seriam, em ambos os casos, os animais humanos que atacaram o habitat das formigas e elefantes, restringindo-lhes seus territórios?
Evidentemente precisamos pensar também em função de os interesses vivenciais de todas as criaturas do planeta. Precisamos reconhecer que o mundo não é somente dos humanos. Pertence a todos os seres viventes. Deixemos de conformar nossas idéias só em torno do antropocentrismo. Isso desmerece e descaracteriza nossos méritos intelectuais. Quando externamos nossos pensamentos ecológicos, estamos na posição do todo, do planeta, do meio ambiente, de tal forma que, se os interesses humanos são contrariados, isso se dá por conseqüência de raciocínio, sem interferência do instinto da espécie humana.
Não nos esqueçamos. Nas comunicações, em geral, há sempre uma condicional implícita: Em função de. Na verdadeira identificação dos interesses legítimos dos fatos está a exatidão da informação recebida.

2 Comentários:

Às 10 de fevereiro de 2009 22:16 , Blogger antonio disse...

"Evidentemente precisamos pensar também em função de os interesses vivenciais de todas as criaturas do planeta. Precisamos reconhecer que o mundo não é somente dos humanos. Pertence a todos os seres viventes. Deixemos de conformar nossas idéias só em torno do antropocentrismo."

Caro Maurício:

Seu supra citado enunciado é tão belo quanto oportuno.
As grandes religiões ensinam que somos a criação suprema de Deus, o qual nos fez sua imagem e semelhança. Ensinam, ainda, que somos todos irmãos. . . todos nós humanos, que fique bem claro. Os outros seres vivos??? Ah! estão aqui apenas para nos servir.
Aí vem a ciência e o seu incorrigível Complexo de Édipo. . . mira-se ela, então, no espelho de suas realizações artísticas e tecnológicas e diz: Ah! os avanços de nossa civilização são mesmo maravilhosos!!!
E assim, vamos seguindo em frente, com as religiões e a ciência a construir pedestais de areia movediça sob nossos pés.
É, meu caro Maurício, estamos mesmo naufragando em um mar de arrogância. . .

 
Às 11 de fevereiro de 2009 08:34 , Blogger Maurício disse...

Estimado Antonio,
Essa expressão, "em função de" é uma ferramenta mental que serve para guiar com independência nossas reflexões sobre as reais intenções de discursos, atitudes, ações e interesses humanos. Ela abre visões de um plano superior às que levam, comumente, pessoas a condicionamentos induzidos pela cultura social.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial